Notícias

Alimentação escolar do Brasil inspira iniciativas em mais de 20 países

Em evento sobre cooperação internacional e desenvolvimento, o Centro de Excelência contra a Fome da ONU ressaltou que a experiência do Brasil com alimentação escolar é um modelo para outros países. Organismo participou em setembro de um diálogo no Rio de Janeiro, que reuniu representantes de organizações mundiais, sociedade civil, academia e governo.

“Com apoio do Centro de Excelência do PMA (o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas), mais de 20 países desenharam políticas nacionais de alimentação escolar, inspiradas pelo bem-sucedido programa brasileiro de alimentação escolar”, afirmou o diretor do centro, Daniel Balaban.

O organismo do PMA oferece assistência técnica às nações que querem adaptar estratégias brasileiras à sua realidade. O centro foi criado por meio de uma parceria entre a ONU e os governos do Brasil e do Reino Unido.

Mariana Rocha, oficial de programa do Centro de Excelência, defendeu que a cooperação Sul-Sul em alimentação escolar é um meio de alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) nº 2, sobre o fim da fome.

“Não deixar ninguém para trás no desenvolvimento significa assegurar que as crianças tenham acesso a oportunidades e à boa nutrição em todas as circunstâncias. A alimentação escolar alcança aqueles que mais precisam e faz com que crianças excluídas tenham acesso a múltiplos benefícios em nutrição e educação”, afirmou a especialista.

Realizado em 19 e 21 de setembro, o evento “Diálogos sobre Cooperação Internacional para o Desenvolvimento – 2018” foi organizado pelo BRICS Policy Center, em parceria com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores. O encontro teve por objetivo reunir contribuições de diferentes instituições para a Segunda Conferência de Alto Nível das Nações Unidas sobre Cooperação Sul-Sul, que acontecerá em 2019.

Outro tópico debatido foi o engajamento das empresas em cumprir os ODS. “Fundos mistos, de governos e (atores) privados, mobilizaram US$ 80 bilhões. No entanto, somente 7% desse valor chegou ao grupo dos países menos desenvolvidos”, alertou Nadine Piefer, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Fonte: FAO Brasil



Conselho Regional de Nutricionistas 6ª Região

O Conselho Regional de Nutricionistas 6ª Região (CRN-6) foi criado pela Lei Federal n° 6.583/1978 com a finalidade de orientar, fiscalizar e disciplinar o exercício profissional. O Órgão de Classe tem como missão contribuir para melhoria da saúde da população, por meio da assistência alimentar e nutricional exercida por profissionais capacitados e habilitados, obedecendo os preceitos éticos que regem a profissão.

A cada triênio, o Conselho tem eleições para gestão/plenário, que é formado por nove conselheiros efetivos e nove conselheiros suplentes. Os nutricionistas eleitos assumem os cargos na diretoria que é composta pelo presidente, vice-presidente, secretário (a) e tesoureiro (a), e/ou participam das comissões de Fiscalização, Tomada de Contas, Ética, Formação Profissional, Comunicação, Licitação e Patrimônio.

Conheça melhor o CRN-6

Fale Conosco

Preencha o formulário para qualquer tipo de informação.

Selecione o setor: